.post a img, .post img { width: 695px; height: auto; padding: 0; margin: 0px -40px 0px -40px; border: none; } -->

10 dezembro 2018

Você precisa mostrar o seu trabalho

© Nadine
Ainda falando sobre auto-sabotagem (um caso que acontece e muito na blogosfera) - me peguei observando algumas postagens passadas e o quanto as coisas foram mudando no decorrer do tempo, mas ainda assim, há muitas pessoas com dificuldade de mostrar o trabalho que faz na internet e por essa questão, não conseguir alcançar outros patamares de credibilidade (ou até mesmo um sucesso maior). Omitir a si mesmo e tudo que faz, pode afastar-te de tudo aquilo que está correndo atrás.

E apesar de estar falando isso agora, há uns anos atrás - logo no início do blog, deixei-me muito reprimido por conta da timidez sobre o conteúdo que produzo, não havia uma auto apreciação sobre tudo que produzia naquela época e autoestima suficiente para poder me divulgar cara-a-cara. Depois que obtive conhecimento suficiente sobre o que realmente desejo dentro da blogosfera e passei a desenvolver conteúdos dentro das minhas vontades e desejos, tive coragem suficiente para poder falar sobre o meu blog, o que faço na internet e todas as marcas e blogs que estou envolvido: a minha criatividade começou a florir mais por conta dos comentários que as pessoas presente falaram diariamente para mim, a credibilidade que sempre fiz de tudo para manter se expandiu e hoje consigo facilmente conversar sobre os meus projetos e ter opiniões diretas e concretas.

© Melina
É como se andasse pelas ruas com a mão no rosto: as pessoas irão te olhar, ficarem curiosos sobre o que está acontecendo e não irão entender nada - infelizmente isso se aplica na blogosfera e no trabalho que você produz, e tem impacto direto. Compactuando com a sabotagem própria, você começa falando sobre o seu trabalho (superficialmente!), se sente inseguro por não ter segurança com aquilo que faz e produz e depois cair profundamente num sentimento de descolamento (que, particularmente, é horrível), e por conta desse desconforto consigo mesmo, nunca mais haverá segurança novamente para falar sobre si quando houver uma oportunidade - é um longo processo de auto conhecimento, que pode ser doloroso mas no final tudo melhor. 

E novamente falando sobre o meu início na blogosfera (já que o motivo desse post mais se assemelha ao começo de tudo, pois hoje, se me der espaço eu falo até os micos que passei). Quando se trata de trabalhar com a internet, posso afirmar com toda a certeza que os verdadeiros influenciadores digitais não estão em busca de visualizações e likes, apesar de sempre lembrar-te de dar o feedback quando terminar de assistir o vídeo - isso é apenas pro algoritmo. Os influencers de hoje busca público de qualidade, que interage e expressa a sua opinião dentro de cada conteúdo que publica - e claro, isso tem um valor enorme. Além de deter da influência que as empresas procuram para gerar publicidade de qualidade e que gere lucros e visibilidade, o criador de conteúdo saberá exatamente o produto para te indicar. É uma via de mão dupla. Por isso, buscamos conquistar corações e não olhos.

Mesmo ainda tendo uma insegurança distante, ainda consigo falar sobre o beco de ideias, muitas vezes acabo falando sobre o meu livro e também o blog, além daqueles que colaboro e os assuntos que escrevo e tenho conhecimento. Mas, o meu maior receio dentro de tudo isso é acabar recebendo expectativas impossíveis de serem correspondidas com êxito, isso serve de gatilho para minha crise de ansiedade e acabo perdendo todo controle de mim mesmo - é importante que, todo blogueiro, youtuber e todos aqueles que produzem conteúdo para a internet e tenham um local de visibilidadeprocure cuidar da sua saúde mental.

É importante passar por todo processo de autoconhecimento antes de dar a cara à tapa.

01 dezembro 2018

Como acalmar a ansiedade diária

© Fernando
É difícil querer fazer tudo e ao mesmo tempo não ter disposição para realizar, ou pensar no futuro e decepcionar-se por não sentir a sua capacidade aflorada naquele momento - talvez em todos os momentos que parou por um tempo durante toda a correria diária para poder refletir e pensar um pouco, e de repente, esses pensamentos caíram na sua cabeça. Não irei mentir, também passo por grandes surtos que ansiedade que desejo mudar totalmente o rumo da minha vida, em alguns momentos a minha ansiedade me convence que tudo está completamente na merda e não haverá solução, numa grande tentativa de me sabotar completamente.

Apesar de ter quebrado diversos ritos de autocobrança, a minha ansiedade ainda é muito alta quando sinto a necessidade de produzir muitos conteúdos, recuperar a minha alta produtividade e criatividade momentânea.

Leitura é um bom começo

Esse ano me trouxe muitas surpresas. Uma delas foi o vício diário pela leitura, inclusive criei uma estante das minhas leituras atuais e já passadas - com nota e tudo. E de fato, começar a ler me trouxe uma criatividade de maior qualidade para produzir conteúdos mais úteis e diversificados, o que preciso melhorar agora é a procrastinação (pretendo, em breve!). Apesar de não ter sido fã da literatura um tempo atrás, mesmo gostando muito de escrever, a necessidade de leitura veio ao começar a estudar sobre marketing e outros para poder melhorar o blog. Comecei com jornais virtuais, portais, notícias, sites e outros blogs de amigos que admiro muito, daí comecei a ler os livros com mais intensidade e quantidade - hoje faço até resenhas aqui no blog e pretendo continuar com muitas outras leituras e resenhas por aqui. Só o fato de me deixar parado, refletindo sobre uma história e imaginando os acontecimentos melhoram completamente o meu dia e consigo centrar o meu pensamento  e isso diminui e muito a minha ansiedade.

Centralizar o pensamento em algo

Pode ser difícil, na teoria. Mas a prática é muito melhor. Normalmente acabo me perdendo em meio a tantos pensamento que passam pela minha cabeça - todos me fazem procrastinar, mas em meio a tanta loucura acabo sem saber ao certo o que fazer ou se posso fazer algo para me ajudar, na maioria das vezes nem encontramos uma solução óbvia numa crise de ansiedade, e quando posso, foco em uma outra coisa, vou para um outro local, bebo um copo d'água ou simplesmente concentro meu olhar. Você só precisa fazer com que a sua mente pare de pensar em tantas coisas ao mesmo tempo - eu não sou especialista no assunto, mas se puder, vá o mais rápido a um psicologo para poder resolver as suas questões.

Um tempo para você 

Todos querem o blog perfeito. O conteúdo bem produzido. O nome mais badalado. O perfil mais bem acessado, mas parar um pouco para cuidar de ti e da sua saúde mental é sempre necessário. Um momento para dedicar ao autoconhecimento é sempre bom, descobrir a sua música favorita, o seu filme mais romântico, a pessoa que acelera e acalenta o seu coração, o que mais gosta de fazer/comer, ou tentar algo muito novo para ti. Sair do cotidiano e quebrar rotina pode trazer um grande alívio nas costas, e experiências momentâneas são sempre boas né? A minha quebra de rotina continua na mesma, as vezes aproveito a vinda e a volta do colégio para espairecer a mente.

Uma playlist faz bem pra alma

A música sempre cura a dor, e aumenta a felicidade. Sempre bom conhecer novas músicas e melódias quando passa por uma sessão de sentimentos sem muita noção do porquê está acontecendo. O Spotify, possui playlists incríveis para relaxar (e isso não é um merchandise, infelizmente!), muitas delas ligadas ao relaxamento, produtividade e coração partido (vai que né?!). Ou, você pode depositar esse tempo de tristeza e agitação para montar as suas próprias coleções musicais, creio que vai ficar incrível.

O que você faz nos dias de ansiedade?

28 novembro 2018

Pelos 'Becos da memória' de Conceição Evaristo

Conceição Evaristo
© Richner Allan
Em uma linguagem que envolve totalmente o leitor ao que está acontecendo na obra, e a realidade vivida, assistida e sofrida pela Conceição Evaristo. Quando soube da existência dessa incrível escritora, a minha vontade e o meu desejo de escrever transbordou em palavras, molhou as minhas mão e a criatividade não deixou que o papel fosse desfeito em meio a tantos riscos e rabiscos de ideias, frenéticas e ágeis tanto quanto a imaginação fluía lendo o romance memorialista escrito por ela - uma memória doce, que logo mais traria o sabor amargo da pobreza, da miséria, a relembrança da fome agora materializada em letras e os choros de esperanças fragilizadas pelas pedras pontiagudas cravadas na vida, e no coração, de cada um que participou silenciosamente e grandiosamente em sua vida, agora, com parte de suas vidas gravadas em algo que posso chamar de obra de arte. 

Pois o impacto, as semelhanças com a realidade vivida por aqueles que sempre foram deixados às margens da sociedade, e centralizados quando podiam ser explorados, ainda são muito semelhantes a atualidade. Conceição dá detalhes que enriquece o personagem, humaniza os sentimentos e nos convida sutilmente a participar das festas em que deixava a favela com mais felicidade e harmonia, quando os moradores deixaram a tristeza de lado para animar-se e preservar a união. A todo momento poderá sentir o que se passa, relembrar momentos semelhantes ao escrito e em cada personagem, depositar um sentimento, a semelhança de um conhecido ou feitos durante a sua vida - de verdade, vivi toda a história, ao mesmo que lia e contemplava todo acontecimento.

Com um aperto no peito, e quase com lágrimas nos olhos, fecho e completo a leitura de 'Becos da memória'. Li nas madrugadas de ansiedade, refleti sobre nos períodos de insônia, e se tornou o único livro que guardei na mochila e dediquei minutos (e até horas) da minha atenção, e um dos poucos que deu-me criatividade o suficiente para desconhecer quem sou, e reconhecer através de memórias o que há de mais belo, incrível e fascinante na minhas experiências e descobertas no meu decorrer - até o momento. Nós somos feitos das nossas memórias, daquilo que vivemos e estamos presenciando. 

| 'Os sonhos dão para o almoço, para a janta, nunca.'

É quase impossível não sentir os conselhos vagos e dados em todo decorrer. É impossível não se apaixonar a cada paragrafo lido. É impossível não ler com seriedade e atenção até mesmo nas descrições mais eróticas - nas poucas vezes contidas -, nos mais tristes caminhos traçados pelos que habitavam a favela e as suas vivências mais apavorantes de imaginar-se vivendo, que infelizmente, é uma realidade muito próxima, esquecida e pisoteada como se amanhã fosse resolver-te naturalmente. Empurrado pela própria barriga murcha pela miséria de vida.


© Reprodução/Divulgação

Critica política, social, habitacional. De fato, duzentas páginas reuniu milhares e milhões de vidas, resumiu todas em uma única obra, e todos os sentimentos humanamente sentidos foram passados por juntas de letras, formaram-se frases de profunda amargura que nunca adocicaram a boca do povo negro, que até os dias de hoje, vive na mira do estado e da casa grande que visiona nos explorar. Explorar os nossos sonhos. Explorar as nossas vontades. Explorar. Um suspiro forte e profundo pôde ser ouvido de mim durante toda leitura, a realidade nunca foi tão bem retratada. A realidade foi retratada. A realidade está escrita como se fosse décadas atrás, mas continua sendo vivida a cada segundo que passa. As histórias, as vidas ali aprisionadas estão sendo representadas por uma mulher de garra, força, fé e criatividade. Do batuque da congada, na marginalização dá fé negra quando adeptos da religião embranquecida, ao mais profundo desejo de conquistar o espaço seu. E mais do que nunca, o preconceito, a marginalidade, a dificuldade de ser, estar e viver, foi simplificada, ditada e aclamada no nome de Conceição Evaristo.

E apesar calma e vaga como a brisa da miséria descrita em ricos detalhes, as suas criticas ao tratamento social e político surgem e complementam a história, como se a sua existência fosse impossível de exclusão - a dificuldade de desenvolvimento do povo negro começa desde o racismo estrutural, onde as oportunidades de renda são diminuídas através do setor privado, ou quando a própria política nos impede de conquistar espaço e estabilidade, que inclusive, é citado em um dos momentos escritos. E de fato acontece muito. Quando aqueles que desejam alcançar poder com a ajuda do povo, utiliza do discurso de saciar o sonho e o desejo de todos em troca de seu voto e quando chega ao poder, esquece totalmente das promessas que fez. É uma exploração sem fim. E os becos da memória de Conceição Evaristo, carrega, guarda e expõe todos os preconceitos, todas as explorações e toda miséria que nos assombram até os dias de hoje. 

15 novembro 2018

Personalidades Negras para conhecer e admirar

© Cultura de Red
Nesse finalzinho de ano estou lendo bastante, conhecendo novos artistas, músicas, obras literárias e diversas outras personalidades que antes nem faria ideia da existência. A maioria foram pessoas negras (algumas lgbt+), estou me empoderando mais e valorizando aquilo que os meus produzem e criam, e como são muito invisibilizados, decidi compartilhar para que possa despertar uma curiosidade em vocês e irem saber mais sobre cada uma delas. Quero fazer novamente uma postagem sobre alguns livros para ler numa tarde, tenho lido bastante ultimamente e conhecido ótimos autores. Mas agora, vamos focar nessa pessoas:

Conceição Evaristo

Apesar de ouvir (e muito) o seu nome, Conceição (foto da capa) é uma escritora que completará em breve 72 anos é uma mulher, negra e feminista que publicou diversas obras que falavam sobre sua vida, no passado, no presente e diversas visões sobre o que vivenciou. Estou lendo 'Becos da Memória', ganhei de presente da minha professora e a cada página recebo um encanto diferente, vale a pena investir cada segundo para desbravar tudo que os seus livros contam. 

Tchelo Gomez

Integrante da Quebrada Queer, cypher LBGT que já citei aqui no blog, é um militante que ganhou o meu coração com muita facilidade (na verdade, todo o grupo me conquistou), mas atualmente estou muito viciado em suas músicas, ouvindo diariamente o seu som e curtindo todas as fotos pois todos os seus feitos são uma obra de arte. Inclusive o seu clipe 'Me Empoderei', com participação da Ma Boo, traz impactos visuais muito agradável e uma ótima combinação de cores, apesar do que realmente irá focar será na letra.

Elza Soares

Com certeza já deve ter visto falar dessa (incrível) mulher, seja na televisão, comerciais ou até mesmo na internet. Com uma enorme história de superação, Elza é um simbolo de resistência e detém de uma força admirável. Sem contar as músicas que são pura poesia para os ouvidos. Sempre pondo a sua potência em jogo a cada música sua, Elza é de fato a 'Mulher do Fim do Mundo'.


Tia Má

Com posicionamento, opiniões e conselhos amorosos de tirar risadas e pôr a mão na consciência, Maíra conquistou a internet com a sua sinceridade doce e venenosa que faz muita gente pôr a mão na realidade e olhar ao seu redor. Tem uma presença forte, e além de ser minha conterrânea, tem uma língua muito afiada para responder os comentários preconceituosos de suas páginas ou até mesmo de certos posicionamentos políticos, que acabou tornando-a referência de empoderamento feminino.


Gloria Groove

Uma Drag Queen interpretada pelo Daniel Garcia, que está fazendo um sucesso enorme com músicas incríveis e clipes impecáveis (e participações admiráveis) que estão conquistando muitas pessoas e elevando seu nome à outros níveis de sucesso, além de ser um ícone LGBT, Gloria tem toda credibilidade de quem veio para dominar e se manter num patamar, com tendência de crescer sempre mais.

EGUM

Não é uma personalidade. Mas é um filme que trará todo enredo que precisamos para conscientizar a sociedade sobre racismo (e diversas outras discriminações que a comunidade preta sofre diariamente). Um curta-metragem de terror que aborda sobre o genocídio da população negra no Brasil e valoriza os talentos da comunidade para produzi-lo. Você pode ajudar no financiamento da produção ou conhecer mais a fundo. 


Quais personalidades negras você gostaria que todos conhecessem?

07 novembro 2018

Para reanimar a alma

Alguns momentos deixam de ser especiais e tão afoguentados por nós, não é mesmo? Fiquei um tempo pensando sobre como as coisas deixam de ter significado com tanta facilidade, na mesma facilidade que o tempo leva as horas e logo depois a repete. Depois nos perguntamos como tudo se foi com tanta rapidez e agilidade, mas foi tão simples quanto o vento carregar todo grão de areia que encontra pelo caminho. Em alguns momentos estamos como os elementos da natureza: ora jogados como a água, ora firmes como a terra. Ora quente feito labaredas, ora envaidecido feito ar. Nos reajustamos naturalmente com o novo eu, e logo nos sentimos em casa. Aqueles dias de uma nova pele passa a ser como tomar uma xícara de café em um dia frio, nublado e chuvoso - tão confortável quanto.

Os dias estão passando rápido, talvez essa metáfora nunca fará tanto sentido quanto está fazendo agora. A saúde mental está sendo recuperada aos poucos, estou reabastecendo o tempo perdido com leituras fieis e ricas em conteúdo, está sendo prazeroso explorar a biblioteca do colégio, tem sido incrível me despir de obrigações que pesa toneladas e no final se tornam inúteis. Estou com saudades de escrever com a alma, reanima-la com conteúdos tão rico quando a mesma, em amores, paixões passadas, cada pedra cravada em ti se tornou precisa pois passei a enxergar as decepções como períodos de aprendizado vital, precisamos aprender a lidar com as frustrações mais sérias e também as mais bobas, talvez eu tenha aprendido a lidar com elas lendo em alguns dos meus livros - talvez criando esperanças com um final que não aconteceu, se tornou frequência, mesmo tendo deixado de criar expectativas com coisas tão banais. 

Me sinto mais próximo de mim após realizar algumas vontades e deixa-me longe das mesmas, o mundo virtual tem se tornando outro espaço tóxico para mim. Tenho me deixado longe das leituras virtuais - como deixei algumas coisas fúteis com tanta facilidade? Não sei! Agora observo algumas imagens simples, converso com poucas pessoas, ajudo-as como posso e volto a ler, com muita facilidade. Escrevo pro blog (mentira! confesso), escrevo pro livro (agora é verdade), escrevo para reanimar a minha vida poética de um aspirante escritor. 
Pergunto a Tempo
Se é preciso vento
Pro amor mudar
Se é preciso emoção
Para aquecer o coração
E fazer o danado palpitar
Se preciso desbravar
Quebrar a cara e se ralar
Para finalmente amar
Se preciso ter sorte
Pra driblar a morte
E continuar a sonhar
Em viver um grande amor
Que assim como flor
Tenha cheiro, mesmo com a dor
Queria poder escrever todos os dias, refazer uma alegria e poder estar sempre aqui. Todos os dias. Mas (in)felizmente ainda me sinto calmo o suficiente para deixar o coração tranquilo, a mente sem perturbação em busca do conteúdo perfeito e a dica perfeita para ajudar vocês com seus blogs e projetos, por enquanto irei preferir me deixar quieto em meio a tantas leituras e aprendizados folheando páginas, nas mãos e no celular. A necessidade de reanimar a alma me pegou numa enorme proporção, preciso recompor as minhas forças mentais e físicas, refazer a minha criatividade instantânea e poder criar com mais frequência. E caso estejam se preocupando, o livro está ficando incrível, o Ayran está aprendendo a amar, e eu estou amando-o.