.post a img, .post img { width: 695px; height: auto; padding: 0; margin: 0px -40px 0px -40px; border: none; } -->

11 março 2018

Por que me amar foi visto como afronte?

por que me amar foi visto como um afronte
Quem nunca foi comparado com o filho da vizinha ao lado que é super educado, gentil e obediente a mãe, fazendo tudo que ela pedia e aparentemente, com boa vontade. Quem nunca foi colocado lado a lado com alguém que a família só viu na TV para comparar o que em ti é visto como defeito, e no pensamento deles, você deve seguir esse 'exemplo' televisionado e altamente ficcionista, profissional - já que a pessoa só estava trabalhando, e não ao lado dos familiares, onde poderia se sentir mais a vontade para relaxar e ficar confortável (para alguns).

Quando uma pessoa cresce sendo designado a ter uma boa saúde mental e acreditando que o ciclo familiar é o seu porto seguro mais firme e forte que pode ter, o trauma, impacto e desilusão, acaba sendo mais forte do que o previsto, do que esperava, e estava preparado para o que fosse. Ter uma boa autoestima é sempre muito difícil, principalmente quando é comparado com alguém que essa pessoa que fala muita asneira, quase nem conhece o outro ser e diz na maior certeza, te levando a um triste sentimento de que o seu melhor, não é suficiente, ai surgem os defeitos, os preconceitos com características suas e tudo que pensou em construir para que todos desfrutassem, se torna uma escuridão completa e o seu futuro fica totalmente sem sentido.

A minha autoestima caiu muito depois de ouvir milhares de vezes que: homens não cuidam tanto assim do cabelo, já que o meu cabelo estava sempre impecável mesmo que tivesse acabado de acordar, ou então: você deveria fazer como fulano e cicrano, preferindo alguém que nem conviveu no mesmo ambiente do que a ti. Pra alguém que nunca ouviu essa palavras ou alguma outra que dê quase a mesma coisa, não vai saber o quão forte é tudo isso, chegou a um ponto que me oprimir tanto por conta disso que toda a minha vaidade foi por água abaixo, todo o cuidado com a beleza deixou de existir de uma dia por outro e durante anos, a criança doce e amorosa foi se perdendo, aquele calor no coração foi esfriando, como água quente que saiu do fogo e ficou de frente pra uma ventania forte e fria contra ti.
me amar foi visto como um afronte pelos padrões da sociedade foto kaboompics
Me amar, foi uma das únicas opções que tive para: deixar de me importar com as opiniões que me fariam mau, me subjugaria a algo ou alguém que não conhece o meu interno, me colocaria em briga interna contra mim mesmo e contra os meus conceitos. Eu teria que me desfazer completamente, viver a infelicidade, viver a vaidade para agradar os olhos alheios que são incapazes de enxergar o que passa aqui dentro, agradar pessoas que tentaram me diminuir a ponto de passar em algum lugar sendo despercebido, quase invisível. Mas os meus conceitos são totalmente diferentes disso, vivo para mim, por que gosto e me amo da maneira que vim ao mundo.

(in)felizmente, aliso o cabelo em grandes períodos, isso me deixa feliz, mas caso acorde amanhã e meu cabelo crespo natural esteja dando um alô, vou me amar da mesma maneira. Meu sorriso pode não ser o mais perfeito do mundo, mas o máximo que preciso para notar o quão estou bem, agradar o meu coração já faço o suficiente, todos os dias, e manter-me em crescimento constante como pessoa, sempre foi uma obrigação para mim, e isso está sendo comprido. Mas quando veem alguém feliz, já é motivo de fofoca por pessoas que não te conhecem o suficiente, estar melhor que eles, já é um afronte demais. 


Mas esqueceram de um detalhe: eu não vim ao mundo para passar batido.

8 comentários:

  1. Essa é uma lição para a vida toda, quando era mais jovem também me preocupava com isso, com a opinião dos outros, só queria agradar, ser gostado e apreciado, até que percebi isso... que eu tinha que amar do jeito que eu sou e se eu gosto de mim, porque irei ligar para o que os outros pensam ou dizem? Eles não vivem a minha vida, esta vida é curta demais para dar essa importância.

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Margot, as vezes é um pouco complicado deixar esses comentários de lado, já que trabalhamos com pessoas, estamos o tempo inteiro, diariamente, sem descanso, cercado por elas. É uma lição muito complicada e que precisamos colocar na cabeça sempre, e até mesmo na hora de decidimos se possuir um blog é a melhor opção. Já que as opiniões dos outros é o que faz ele na maioria das vezes.

      Beijos do Deivy!

      Excluir
  2. Olá Deivy!
    Que texto/desabafo incrível!
    Imagino como isso tudo deve ter sido difícil para você!
    Também me senti muito mal na aparência, por causa do meu cabelo natural!
    Ele é naturalmente cacheado, eu acho ele lindo, só me incomoda um pouco o volume natural que ele tem, não curto muito isso!
    Sábado passado minha mãe me convenceu a alisar de novo meu cabelo!
    Eu não queria alisar, mas ela insistiu!
    Meus pais não acham meu cabelo muito legal natural, eles preferem meu cabelo alisado! Enquanto eu morar com eles tenho que seguir as regras de convivência!
    Uma delas, e não ter um visual que eles acham que não combina comigo!
    As vezes me sinto que não posso ser quem eu sou 100% por medo deles não gostarem!
    Que bom que você consegui ignorar os comentários negativos!
    Eu consigo ignorar os comentários ruins dos outros, mas não os dos meus pais!

    Tenha uma semana ainda mais abençoada!
    xoxo, Pam!

    https://palomari.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paloma
      Já me vi nessa situação muitas vezes, acho que a maior questão dentre esses assuntos é se amar de todos os jeitos, ângulos e maneiras possíveis. Já que na maioria das vezes me aproprio ao que está acontecendo tanto no blog quanto na vida fora da internet, estar em mudança constante é uma loucura, mas que envolve muita cabeça e jogo psicológico.

      Beijos do Deivy!

      Excluir
  3. Oi Deivy, como vai?
    Adorei o post, gosto muito de ler textos mais pessoais assim. Fico feliz em saber que você conseguiu atingir este nível de maturidade e de sinceridade consigo mesmo, é algo essencial para a nossa autoestima e para o nosso amor próprio.
    Infelizmente vivemos em uma sociedade onde a felicidade alheia não é bem vista, portanto acredito que é nosso dever afrontar e incomodar o máximo que pudermos.

    Beijão
    www.mundoinvertido.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gustavo
      Amo te ver por aqui. Não acho que atingi um nível alto de maturidade, sabe. Acho que aprendi com a blogosfera, com a internet, a me apropriar aos acontecimentos e conseguir manter a minha ideia, a minha opinião, mas sempre me questionar sobre estar certo ou não e onde, o que é mais importante dentre todos os assuntos, saber o próprio erro. Muito obrigado, mas ainda tenho muito que subir pra ficar mais seguro e firme.

      Beijos do Deivy!

      Excluir
  4. É interessante que a própria Bíblia, no livro de Galátas, capítulo 6 e versículo 4, nos aconselha a não nos compararmos com os outros para que possamos nos alegrar com as nossas próprias ações. Então, não é errado se amar, muitos dizem que se amar é ser arrogante, mas, o amor próprio está muito longe do orgulho. É possível sim, se amar e ser humilde, ficar feliz pelos outros sem comparações ou inveja, isso é desenvolver boas qualidades em si próprio.
    Fico feliz que tenha superado comentários alheios. O que é bom a gente guarda, o que não é, a gente descarta.
    Amei a tua escrita e já estou seguindo o blog para não perder as atualizações.
    Abs, www.apenasleiteepimenta.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Leslie
      Perdoe-me a ignorância, mas não sigo e acredito na bíblia como é 'empregada' na sociedade hoje em dia, mas há muitos versículos dela diz muitos conselhos que precisamos seguir para vivermos melhor entre a gente, entre nossos próprios erros e acertos, e não deixarmos nosso próprio veneno matar a nós mesmo de forma tão rápida e ignorante. Obrigado por deixar esse comentário aqui, não sabia deste versículo.

      Beijos do Deivy!

      Excluir